Este Espaço tem por objetivo compartilhar leituras, falar de encontros, educação, eco-feminismo, parto humanizado, cultura de paz, espiritualidade, dança... de movimentos que o Universo faz pelos quais nos encontramos.
Seja bem vindo, a entrada é franca e amiga... mas chegue com o coração aberto, senão, de nada vai adiantar estar aqui!

29 de set de 2010

Reiki em Hospitais no Mundo

Reiki é sucesso absoluto em hospital de Brasília

A Mestra Maria Tereza Cunha, de Brasília, é uma das líderes do Serviço Auxiliar de Voluntários (SAV), o qual desenvolve um projeto de atendimento no principal hospital do Distrito Federal, o Hospital de Base.
O atendimento com Reiki se expandiu pelo hospital, e hoje é uma realidade na neurocirurgia, no ambulatório da dor e cuidados paliativos, na cardiologia, no núcleo de fisioterapia, na pediatria, na cirurgia pediátrica, e na cirurgia geral, amplamento aceito e acolhido por funcionários, pacientes, acompanhantes, e especialmente pela diretoria, que conta com autorização da Secretaria de Saúde.
Além do atendimento com Reiki, o SAV organiza festas para os pacientes, celebrando datas como o Dia das Mães, dá assistência a pacientes financeiramente carentes e a sua famílias, e conta com 120 voluntários reikianos. Estamos treinando novos terapeutas, afirma a Mestra Maria Tereza, de forma que este serviço possa se expandir mais e mais por todo o hospital.
O Hospital de Base de Brasília é um dos mais elogiados da América Latina.
E-mail: contato@savbrasilia.com, telefone 61-3325 4601 begin_of_the_skype_highlighting 61-3325 4601 end_of_the_skype_highlighting.


Fortaleza, Ceará. As práticas integrativas e complementares em saúde pública no Hospital Distrital Gonzaga Mota - José Walter. Uma realidade no Sus
Francisco Osório Costa Júnior
A publicação da Portaria nº 971 de 03 de maio de 2006 que define a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS, configura-se marco decisivo do processo de institucionalização destas abordagens no SUS, passando a ser a referência para a estruturação das PIC no sistema de saúde brasileiro. Com base nesta portaria, o Hospital Distrital Gonzaga Mota do José Walter se antecipou aos demais hospitais da Prefeitura de Fortaleza e criou um setor de práticas integrativas e complementares. O setor funciona há quase um ano no ambulatório de fisioterapia em caráter provisório na gestão do Diretor Geral Dr. Helly Pinheiro Ellery que se comprometeu, em breve, inaugurar um setor definitivo de Práticas Integrativas e Complementares para atender a todos os usuários do SUS. Dentro das práticas integrativas e complementares desenvolvidas no hospital destacam-se: Reiki, Shiatsu, Reflexologia, Massoterapia, e Magnified Healing. O ambulatório funciona de segunda a sexta-feira a partir das 17 horas no Setor de Fisioterapia e Terapias Complementares, sempre com horário marcado. São três profissionais formados pelo Espaço Ekobé em parceria com a Aneps, Cirandas da Vida, UECE e Associação dos Mestres de Reiki do Distrito Federal.
O público alvo é composto de usuários e profissionais do próprio hospital que procuram o setor. As principais queixas são: dores de coluna, tensão muscular, estresse, depressão, insônia, fobias, transtornos psiquiátricos, ansiedade, angustias etc. Quando o paciente chega ao setor, passa por uma anamnese onde são preenchidos os dados em ficha padronizada. A partir daí, o terapeuta escolhe a técnica apropriada para o paciente e a quantidade de sessões por semana. Muitos pacientes retornam por acharem melhoras no seu quadro clínico e por se sentirem acolhidos pelos terapeutas que os vêem como um todo. Mesmo assim, nós, terapeutas holísticos, sentimos certa dificuldade por parte de outros profissionais que, por não conhecerem as terapias complementares, não enviam pacientes para o setor. Espero que em breve essa barreira sobre as terapias complementares caia e prevaleça o bom censo.


Fortaleza, Ceará. O Espaço Ekobé encurta a distância entre a ciência e a sociedade
Dra. Vera Dantas

O Espaço Ekobé, que em tupi guarani significa vida, foi estruturado durante a 57ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), realizada em julho de 2005, em parceria com a UECE e a Secretaria Municipal de Saúde, onde estudantes, pesquisadores, cientistas, professores, enfim, a comunidade acadêmica pôde conviver com movimentos e práticas de Educação Popular e Saúde, buscando novas perspectivas que possibilitassem a superação da distância entre Ciência e Sociedade.
O Espaço Ekobé mantém desde 2006, no campus da UECE, um calendário de práticas como massoterapia, reiki, reflexologia, rezas, entre outras, disponibilizadas a estudantes, trabalhadores e pessoas das comunidades.
Um desses percursos, onde particularmente estivemos envolvidas, diz respeito à formação de cuidadores com a terapia reiki. Originária do Japão, inclui- se nas chamadas terapias energéticas (BARROS & TESSER, 2008), cuja base conceitual vincula-se, segundo Luz (2005), ao “paradigma vitalista”, onde noções como energia, sopro, corpo energético, desequilíbrios individuais, forças naturais e ’sobrenaturais’ têm papel importante, integrando natureza e homem numa perspectiva de macro e microuniverso, de forma a considerar a doença como ruptura de um equilíbrio interno (no microuniverso) e relacional.
Este paradigma configura o que Luz (2005) denomina sistemas complexos, como a medicina tradicional chinesa e a medicina ayurvédica, onde a percepção gerada pela experiência com o sofrimento impulsiona à necessidade de alguns outros conceitos para compreensão do processo saúde-doença, como a intuição, a energia vital, o holismo, entre outros, impondo-se a necessidade de repensar a prática dentro de um “novo” espaço ético. Ao mesmo tempo, os procedimentos utilizados em práticas como a do reiki contribuem para a harmonização e estímulo do potencial de reequilíbrio do ser, tendo como categoria central a saúde e não a doença, o que possibilita maior interação e compreensão das situações de crise vivenciadas pelas pessoas e apoio para as mudanças e aprendizados advindos dessa experiência do adoecimento, contribuindo assim para a “desmedicalização” e promoção da saúde. A terapia reiki baseia-se na harmonização de canais energéticos denominados chakras, por onde circula a energia vital que nutre órgãos e sistemas situados ao longo da coluna vertebral, mediante a imposição das mãos.
O processo formativo constituiu-se de momentos de discussão teórico-conceitual sobre o tema e a iniciação. São quatro os momentos da formação em reiki: o despertar - iniciação, a transformação, o mestre de si e, finalmente, a formação de mestre-professor, cuja dimensão ética é o aspecto central da discussão, feita com apoio em princípios como gratidão, confiança, honestidade, amorosidade e serenidade no tempo presente. Cada um dos seminários foi seguido por um período de aproximadamente três meses em que os reikianos realizaram aplicações semanais no Espaço Ekobé.
Esse percurso favoreceu a criação de vínculos entre o grupo de mestres reikianos formados, que está constituído por médicos da rede municipal, estudantes universitários da UECE e militantes de movimentos como a Rede dos Terreiros (SER I), movimentos de mulheres (SER VI), pastorais sociais (SER IV), movimentos de saúde mental (SER V), rede de terapeutas holísticos (várias regionais), movimentos de grupos espíritas e práticas de cuidado (SER VI) que há mais de um ano atua de forma permanente no Espaço Ekobé, contabilizando mais de quinhentos atendimentos no espaço propriamente dito e em eventos para onde o espaço se desloca com suas práticas. (DANTAS, 2008).
Na perspectiva de formar uma rede de terapeutas reiki no contexto da Secretaria Municipal de Saúde e das comunidades por onde giram as Cirandas da Vida, esse grupo de mestres reiki iniciou, em 2009, 150 pessoas nessa abordagem terapêutica. Isso implicou a inclusão do reiki em trinta unidades básicas de saúde, três CAPS e três hospitais municipais.
A caminhada das terapias complementares despertou o interesse da Associação dos Mestres e Terapeutas Reiki do Distrito Federal, que congrega mestres e terapeutas reiki de todo o Brasil, e, enquanto entidade legitimada para credenciamento dessa modalidade terapêutica, a qual é reconhecida pela Organização Mundial da Saúde e considerada como atividade profissional pela Justiça do Trabalho desde janeiro de 2007.
Desse processo vivido no espaço Ekobé, surgiram outros espaços e instrumentos de sistematização das práticas educativas e de cuidado em saúde, como também de reorientação e democratização das políticas de saúde. A interface com a UECE possibilita interação dos vários movimentos e destes com as universidades.


Rio oficializa terapias naturais na rede pública de saúde
José Joacir dos Santos

O Estado do Rio de Janeiro publicou no Diário Oficial de 16 de junho de 2009 a Lei 5.471/2009, que inclui oficialmente as Terapias Naturais na rede pública de saúde do estado. Entre as terapias agraciadas estão: Massoterapia, Fitoterapia, Terapia Floral, Acupuntura, Hidroterapia, Cromoterapia, Aromaterapia, Oligoterapia, Geoterapia, Quiropraxia, Iridologia, Hipnose, Trofoterapia, Naturologia, Ortomolecular, Ginástica Terapêutica e Terapias da Respiração. Para que o profissional possa atuar na Rede Pública de Saúde, tanto no Rio de Janeiro como nos estados que seguirem essa tendência, precisa se filiar a uma entidade da classe da sua profissão, por exemplo o SATOSP (massagem, acupuntura) e a ASTEFLOR (florais) (www.asteflor.com). Este é um grande passo e os profissionais esperam que os demais estados sigam o exemplo do Rio de Janeiro, tendência que já ocorre em outros países. Veja a integra da Lei no site da ASTEFLOR (www.asteflor.com). Esta é mais uma razão pelo qual o Terapeuta Reiki precisa urgente se filiar a uma entidade da sua própria classe, como a Associação dos Mestres e Terapeutas Reiki.


Reiki analisado pela Organização Mundial de Saúde.

Estudos em hospitais provam sem dúvidas, os efeitos terapêuticos do Reiki no reforço do sistema imunitário, combate ao stress, diabetes, esclerose múltipla, doenças reumatológicas, regeneração de tecidos (queimaduras, recuperação de fraturas e pós-cirurgico), supressão da dor e dos efeitos secundários de tratamentos como a quimioterapia e radiação nos pacientes de oncologia, diminuindo também a ansiedade proporcionando-lhes, assim, mais conforto emocional e mais força para combater a doença.

HOSPITAIS E CLÍNICAS ONDE O REIKI É UTILIZADO COMO MEDIDA TERAPÊUTICA
USA - Nos Estados Unidos, a técnica é aplicada no pré e pós-operatório com relatos de pacientes cardíacos que não tiveram depressão e apresentaram recuperação rápida. A terapia complementar é utilizada ainda em transplantados para evitar a rejeição, e em pacientes terminais, quando o reiki pode ajudar para uma morte mais serena e sem dor.
Northern Westchester Hospital, N York (NY) - pacientes em geral
St.John’s Riverside Hospital,Yonkers, N York - pacientes em geral
Memorial Sloan Kettering Cancer Center - N York - pacientes em geral
Sammuels Center for Comprehensive Care - St. Lukes-Roosevelt Center - N York
Morgan Stanley Children's Hospital of New-York Presbyterian: oncologia infantil
Columbia University Presbyterian Medical Center, New York: Tratamentos Reiki a pacientes indicados pelo centro cirúrgico (Columbia Integrative Medicine Program), pacientes de cirurgia cardiotoráxica e funcionários
Program for Children with Cancer – Columbia, N Yorkoncologia
New York University Medical Center, N York - Tratamentos reiki para crianças com câncer ou desordens do sangue (também cuidados posteriores), ambulatório pediátrico, esclerose múltipla, mulheres com incapacidades.
St. Mary's Hospital, Amsterdam, New York : Iniciações Reiki
Maitri Adult Day Health Care, Yonkers, N York - pacientes em geral
Suny Downstate – Brooklyn, N York - pacientes em geral
Coney Island Hospital, Brooklyn, N York - pacientes em geral
St Peters Health Care, Albany, N York - pacientes em geral
Crouse Hospital, Syracuse, N York - pacientes em geral
Body Mind Center, Thompson Health – Canandaigua, N York - pacientes em geral
Clifton Springs Hospital – C Springs, N York - pacientes em geral


Cooper University Hospital-Cooper Cancer Institute, Voorhees, New Jersey (NJ) – oncologia
Englewood Hospital and Medical Center, Englewood, New Jersey : pacientes em geral
Mountainside Hospital, Montclair, New Jersey - pacientes em geral
Center for Hope Hospice, Scotch Plains, N Jersey - pacientes em geral
Centra State Medical Center, Freehold, N Jersey - pacientes em geral
Morristown Memorial Hospital, Carol Simon Cancer Center, N Jersey - pacientes em geral
The Cleveland Clinic, Cleveland, Ohio (OH) – oncologia, cardio, funcionários/pacientes no geral
Metrohealth Medical Center, Cleveland, Ohio - pacientes em geral
Foundation Center for Integrative Medidcine, Lyndhurst, Ohio - pacientes em geral
Portsmouth Regional Hospital - pacientes em geral
Mercy Hospital - Portland - pacientes em geral
Baystate Franklin Medical Center – Greenfield, Massachusetts (MA) pacientes em geral
VNA and Hospice of Cooley Dickinson – Northhanpton, Massachusetts pacientes em geral
Beverley Hospital – Lifestyle Mang. Inst.- Danvers, Massachusetts - pacientes em geral
Brigham and Women’s Hospital, Boston, Massachusetts : oncologia, pré e pós-cirúrgico, familiares e pacientes, iniciações para funcionários (manual escrito pelas enfermeiras), estudo Massachusetts General Hospital, Boston, Massachusetts : grade curricular do corpo de enfermagem, tratamentos para funcionários e pacientes de terapias complementares.
Harvard University, Boston/Cambridge, Massachusetts: (Harvard Medical School -
Massachusetts Institute of Technology): Tratamentos no centro de câncer de Harvard, fucnionários dos serviços de saúde da universidade, (Reiki mencionado como a melhor prática por uma das companhias de seguro saúde que trabalha com a universidade),
Lowell General Hospital, Lowell, Massachusetts – oncologia
Children's Hospital Boston, Boston, Massachusetts pacientes em geral
Dana Farber Cancer Institute, Boston, Massachusetts - pacientes em geral
Spauling Rehabilitation Hospital Network, Medford, Massachusetts - pacientes em geral
Yale New Haven Children’s Hospital, New Haven, Massachussetts - pacientes em geral
Johns Hopkins Hospital, Baltimore, Maryland (MD): Terapias complementares na grade curricular do corpo de enfermagem
Carroll Hospital Center, Westminster, Maryland :saúde complementar - pacientes em geral
Memorial Hospital, Easton, Maryland - pacientes em geral
Frederick Memorial Healthcare, Maryland - pacientes em geral
Hartford Hospital, Connecticut (CT) : pacientes em geral
Yale-New Haven Hospital, New Haven, Connecticut :Reiki para famílias e UTI cardíaca, pacientes da cardiologia e da oncologia (acompanhamento - tratamentos posteriores)
Middlesex Hospital, Middletown, Connecticut - pacientes em geral
Stamford Hospital, Stamford, Connecticut : pacientes em geral
Windham Hospital, Willimantic, Connecticut : pacientes em geral
Norwalk Hospital Whittingham Cancer Ctr, Connecticut pacientes em geral
Concord Hospital, New Hampshire (NH) : tratamentos reiki para pacientes terminais
St. Joseph Hospital, Nashua, New Hampshire – oncologia
Wentworth Douglass Hospital, Dover, New Hampshire - pacientes em geral
Portsmouth Regional Hospital, New Hampshire - pacientes em geral
Gifford Medical Center – Randolph, Vermont (VT) - pacientes em geral
Mt.Ascutney Hospital – Windsor, Vermont - pacientes em geral
Southwestern Health Care – Bennington, Vermont pacientes em geral
Inova Fairfax Hospital, Cancer Program – Falls Church, Virginia (VA) - pacientes em geral
Washington Hospital Center, Washington DC (WA) – oncologia
Center for Integrative Medicine at G.Washington University Hospital - D.C. pacientes em geral
Evergreen Hospice Services, Kirkland, Washington - pacientes em geral
Multicare Good Samaritan Home Health, Tacoma, Washington - pacientes em geral
York Hospital, York, Maine : pré, pós operatório e durante processo cirúrgico
California Pacific Medical Center (CA) - pacientes em geral
Saint Agnes Medical Center, Fresno, California : pacientes em geral
South San Diego Veterinary Hospital, San Diego, California : reiki para animais
Citrus Valley Medical Center, Covina, California - pacientes em geral
Sharp Memorial Hospital, San Diego, California - pacientes em geral
Hearst Cancer Resource Center, San Luis Obispo, California - pacientes em geral
St.Joseph’s Medical Center, Stockton, California - pacientes em geral
Duke Integrative Medicine – Durham – North Carolina (NC) - pacientes em geral
Frances Warde Health Service, Rosman, North Carolina - pacientes em geral
Heartland Hospice, Sugar Hill, Georgia (GA) - pacientes em geral
Allegheny General Hospital, Pittsburg, Pennsylvania (PA) - pacientes em geral
Banner Heart Hospital, Mesa, Arizona (AZ) - pacientes em geral
St.Andrew’s Children’s Clinic – Nogales, Arizona - pacientes em geral
Universisty Medical Center Corp., Tucson, Arizona - pacientes em geral
Tucson Hospital Center, Tucson, Arizona - pacientes em geral
Arizona State Veteran Home, Phoenix, Arizona - pacientes em geral
Henry Ford Macomb Hospitals, Clinton Township, Michigan (MI) - pacientes em geral
Reproductive Medical Assoicates – Troy, Michigan - pacientes em geral
St John’s Hospital Healing Center – Grosse Pointe Woods, Michigan - pacientes em geral
Abott Northwestern, Minneapolis (MN)- pacientes em geral
Edward Hospital Cancer Center – Naperville, Illinois (IL) - pacientes em geral
Hawaii Pacific Health-Wilcox Memorial Hospital, Lihue, Hawaï : pacientes em geral

INGLATERRA
University College London Hospitals - stress, desordens de humor, oncologia, endometriose
Southampton University Hospitals : oncologia
Aintree University Hospitals, Liverpool : assistência a idosos
Wallace Cancer Care - Addenbrooke’s Hosp-Cambridge University Hospitals : oncologia
South Tees Hospitals, Middlesbrough : oncologia
Prince's Found. for Integrated Health (HRH Prince Charles's foundation) : terapia complementar
Breast Cancer Care (charity) : terapia complementar - oncologia
Newham University Hospital, London : projeto de Reiki para funcionários e pacientes
Coventry Community Drug Team - pacientes em geral
St.Giles Hospice, North Lichfield - pacientes em geral

CANADA
University Health Network-Princess Margaret Hospital, Toronto e Ontario : oncologia (pacientes e familiares) – terapias complementares
Université de Moncton, Nouveau-Brunswick : Iniciações de Reiki no curriculum
Tilsonburg District Memorial, Ontario - pacientes em geral

AUSTRALIA
Sir Charles Gairdner Hospital, Nedlands, Western Australia : oncologia
Western Australia's Department of Health, Bunbury: programa de saúde para maiores de 55
St Patrick’s Care Centre, Fremantle, West Australia : recuperação de alcoolatras e drogados
Queensland's Health : relaxamento para funcionários do Central Highlands Health Services

ALEMANHA
CGG Klinik (Centrum für ganzheitliche Gynäkologie), Mannheim: Reiki para controle de dor e tratamentos oncológicos
St. Augustinus Krankenhaus, Düren : pacientes em geral
DRK Krankenhaus Lichtenstein (Red-Cross), Lichtenstein : pacientes em geral (fisioterapia)

SUIÇA
Groupe mutuel's Insurances (Seguros) Pagamento de Tratamentos de Reiki (cond.especiais)
SWICA Insurance (Seguros): Pagamento de Tratamentos de Reiki (saúde preventiva)
Supra Insurance (Seguros) Pagamento de Tratamentos de Reiki (cond.especiais)
ASCA (foundação para o reconhecimento e desenvolvimento de terapias alternativas e complementares) :certificação oficial para terapeutas Reiki
RME (registro de medicinas empíricas) : certificação oficial para terapeutas Reiki

SOUTH AFRICA
Constantiaberg Medi-Clinic, Plumstead - pacientes em geral

EGITO
Center Prof.Hisham Hussein Imam, MD, Cairo - pacientes em geral

PORTUGAL
Hospital de oncologia - Porto

BRASIL
Grupo Hospitalar Conceição - RS, conta com voluntários aplicadores de Reiki. Os voluntários atuam na Emergência, Acolhimento, Grupo do Câncer de Mama, Alívio da Dor, assistência espiritual, visitação aos leitos, Banco de Sangue, Hemodiálise, Unidade de Atenção ao Adolescente, Central do Voluntariado, Centro de Atenção Psicossocial Adulto e Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas.
Centro Infantil Boldrini – Campinas,SPwww.boldrini.org.br/site/como_voluntariado.asp - Terapias de suporte. Objetivo Central: oferecer aos pacientes internados no Centro Infantil Boldrini a Terapia de Suporte REIKI; oferecer relaxamento e bem-estar aos pacientes internados e/ou seus acompanhantes, através da aplicação da Terapia Reiki, sempre que eles aceitem e solicitem seu atendimento. Início em 2002, dentro do programa de Cuidados Paliativos, como Terapia Complementar. Posteriormente sua atuação foi ampliada para todos os pacientes do Hospital. Atuação nos leitos da Internação, UTI e TMO e na recepção do Hospital. Horário: das 9h às 19h, todos os dias da semana. Pré-requisito: ter 24 anos e formação em REIKI certificada. Cidade Universitária - Campinas – SP
Outros serviços: promoção de cursos para formação em Reiki, em parceria com o IPEB;
promoção de cursos de atualização para voluntários ativos.
Departamento de Enfermagem da Universidade Federal de Pernambuco - consultório onde a comunidade pode receber atendimento a preço popular, com direito a anamnese e acompanhamento.
Mato Grosso do Sul: http://www.agorams.com.br/index.php?ver=ler&id=113342 - A Secretaria Municipal de Saúde está iniciando o processo para implantação da Terapia Reiki no Sistema Único de Saúde (SUS). No dia 26 de outubro, acontece na Fazenda São Jorge, no Sidharte Lua (Espaço Reiki), um encontro com profissionais de saúde de nível superior da Rede Municipal de Saúde.

Hosp.Santa Izabel - Bahiawww.correiodabahia.com.br/aquisalvador/noticia.asp?codigo=133291
Profissionais do Hospital Santa Izabel usam técnica oriental para reduzir tempo de internação
Mariana Rios
Além de exames e medicamentos, as mãos. É o que médicos, enfermeiros, fisioterapeutas e assistentes sociais de uma instituição hospitalar centenária estão aprendendo através do reiki – técnica de aplicação de energia baseado na medicina oriental. A disposição das mãos sobre certos pontos do corpo de pacientes proporciona bem-estar, relaxamento, autoconfiança e alívio para a dor. Ontem, quando completou 114 anos, o Hospital Santa Izabel oficializou a prática do método nas unidades de atendimentos e também entre os funcionários. Os benefícios de um programa iniciado por voluntários há um ano estimularam a adoção da técnica como terapia complementar, baseada no desbloqueio de campos energéticos para facilitar a cura. Da unidade de oncologia pediátrica, a idéia se espalhou para todo o hospital, com o objetivo final de reduzir o tempo de internação. Foram capacitados 18 profissionais, que concluíram o curso de formação em dezembro de 2006, e estão em ação no hospital. “Os profissionais têm reconhecidos os benefícios da técnica, que consiste na aplicação de energia através da imposição das mãos”, explicou a médica Maria de Fátima Freira, que coordena o serviço de nutrição enteral e parenteral do hospital.
Reconhecido pelas Organização Mundial de Saúde (OMS) e Organização das Nações Unidas (ONU), o método foi oficialmente apresentado durante o Encontro de Práticas para Saúde Integral. No hospital, cerca de 60% dos pacientes aceitam a prática com bons resultados.
Qualquer paciente pode se submeter ao tratamento, já oferecido nas unidades de terapia intensiva (UTI) e apartamentos para diminuir a ansiedade. Similar ao que acontece na acupuntura – mas sem a ajuda das agulhas, o reiki possibilitaria a passagem da energia vital nos meridianos do corpo humano. Num ambiente tão cientificista, a técnica enfrenta resistência, como na sociedade em geral, em razão do desconhecimento da medicina oriental, que tem o equilíbrio da energia vital em sua base. “É uma mudança de foco de visão. Estamos intervindo para melhoria da qualidade de vida e do relacionamento pessoal”, ratificou Maria de Fátima, pontuando que o método não é utilizado como único agente de cura.
A psicóloga voluntária Renata Sims Coan – que iniciou o projeto pioneiro na unidade junto à unidade de onco-hematologia pediátrica Erik Loeff – comemora a expansão para outros hospitais da cidade. Ela conta que foram observados nos pacientes infantis relaxamento, mudança de humor, além de melhora na alimentação e no sono.
“Procuramos falar numa linguagem bem clara para os pais sobre o que estávamos propondo: passar energia pelas mãos para proporcionar sensação de bem-estar, sem cunho religioso. Além do Santa Izabel, o São Rafael e o Aristides Maltez mostraram interesse na terapia complementar”, contou Renata. O atendimento é individual e realizado no leito. companhantes e pais, e mesmo pacientes, que podem se auto-aplicar, se mostraram interessados em também aprender a técnica e receberam treinamento gratuito dos voluntários.

O Ministério do Trabalho, no Brasil, reconheceu o Reiki como profissão isolada, enquadrado dentro das atividades de práticas integrativas e complementares em saúde humana, recebendo o código 8690-9/01 da CONCLA (Comissão Nacional de Classificação), órgão responsável pela classificação de profissões e ligado ao Ministério do Trabalho e ao IBGE.
Sou médico há 17 anos, formado pela Faculdade de Ciências Médicas da UERJ. (...). Trabalho no Hospital Pedro Ernesto (HUPE), também na UERJ. Sou lotado na Disciplina de Medicina Integral da FCM (...)....de uma maneira inesperada encontrei o Reiki.Desde então, tenho acesso a um poderoso instrumento de cura que uso associado aos meus conhecimentos médicos ...

Dr Ozéas M Simões. Médico Clínico Geral e Sanitarista In De Carli, 2000, p.16

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gentileza gera Gentileza

Se algum artigo neste blog estiver como "autoria desconhecida" e você souber informar, agradeço e farei a devida correção. Solicito também que ao extrair qualquer informação desta página seja adicionada à devida autoria ou endereço: http://pedagogiadoencontro.blogspot.com

Grata pelo Encontro.