Este Espaço tem por objetivo compartilhar leituras, falar de encontros, de educação, de eco-feminismo, de parto humanizado, de cultura de paz, de dança, de movimentos que o Universo faz pelos quais nos encontramos.
Seja bem vindo, a entrada é franca e amiga... mas chegue com o coração aberto, senão, de nada vai adiantar estar aqui!

26/08/2009

A FÁBULA-MITO DO CUIDADO

(Fábula de Higino)

"Certo dia, ao atravessar um rio, Cuidado viu um pedaço de barro. Logo teve uma idéia inspirada. Tomou um pouco de barro e começou a dar-lhe forma. Enquanto contemplava o que havia feito, apareceu Júpiter.

Cuidado pediu-lhe que soprasse espírito nele. O que Júpiter fez de bom grado.

Quando, porém Cuidado quis dar um nome à criatura que havia moldado, Júpiter o proibiu. Exigiu que fosse imposto o seu nome.

Enquanto Júpiter e o Cuidado discutiam, surgiu, de repente, a Terra. Quis também ela conferir o seu nome à criatura, pois fora feita de barro, material do corpo da terra. Originou-se então uma discussão generalizada.

De comum acordo pediram a Saturno que funcionasse como árbitro. Este tomou a seguinte decisão que pareceu justa:

"Você, Júpiter, deu-lhe o espírito; receberá, pois, de volta este espírito por ocasião da morte dessa criatura.

Você, Terra, deu-lhe o corpo; receberá, portanto, também de volta o seu corpo quando essa criatura morrer.

Mas como você, Cuidado, foi quem, por primeiro, moldou a criatura, ficará sob seus cuidados enquanto ela viver.

E uma vez que entre vocês há acalorada discussão acerca do nome, decido eu: esta criatura será chamada Homem, isto é, feita de húmus, que significa terra fértil".


Fonte:
(Gaius Julius Hyginus, Fábula-mito do Cuidado, em Saber Cuidar - Ética do Humano, Compaixão pela Terra – Leonardo Boff).

Me encontrava em um momento de re-avaliação interna, quando esta leitura me chegou às mãos. Encomodada com alguns aspectos da minha personalidade e tendo que olhar para algumas sombras que me assombravam, tentava iluminá-las mas já não tinha forças. Parecia que todo movimento que fazia era em vão e a comunicação externa ficava cada vez mais difícil.
Foi quando me vi como terra fértil... e me vi tendo de remover algumas ervas daninhas do terreno de minha psique.
Sofremos estímulos externos dos mais variados possíveis e é preciso estar atento com o que cai na boa terra, como é fértil... tudo cresce e a colheita é inevitável. Arranque as ervas daninhas, com paciência e respeito, porque tudo tem um porquê de ser, tudo tem uma história. A terra sente tudo, cada semente lançada em seu solo, cada raiz arrancada. Seja cuidadoso com você!

Um comentário:

  1. Por incrível que parece cheguei até aqui por "acaso"... Procurando um tema para meu TCC em filosofia pensei em falar sobre a Fábula Mito do Cuidado (Higidio) e me encantei com o blog.
    Estou em fase de grandes transformações e agora me veio algumas questões que andam me intrigando, mas isso é um outro assunto.
    De qq. modo agardeço as forças que me trouxeram aqui hoje.

    ResponderExcluir

Gentileza gera Gentileza

Se algum artigo neste blog estiver como "autoria desconhecida" e você souber informar, agradeço e farei a devida correção. Solicito também que ao extrair qualquer informação desta página seja adicionada à devida autoria ou endereço: http://pedagogiadoencontro.blogspot.com

Grata pelo Encontro.